Desenvolver para Web não é uma das coisas mais triviais do mundo. Existem algumas tarefas que precisamos realizar e que, em algumas circunstâncias, torna o desenvolvimento mais penoso.

Lidar com diferentes navegadores é um desses fatores complicadores. Lidar, especialmente, com o Internet Explorer é pior ainda. Esse navegador (se é que podemos classificá-lo assim) tem vários problemas para se adequar aos padrões da Web (ou Webstandars, como preferir).

Hoje um amigo me mostrou uma imagem, que, a princípio, achei que fosse falsa, mas descobri que não é. A imagem é essa aí abaixo e eu conferi, pouco antes de escrever esse post, que a tal notícia está lá na página do UOL. Veja (se ainda estiver lá)

O que mais me deixa revoltado nisso tudo é se fomentar o uso de um software com falhas de segurança e com problemas de desempenho. Além disso um software que não adere com precisão aos padrões mundiais de desenvolvimento.

É por isso que estamos nessa vida desgraçada de desenvolvedor sofredor!

Desenvolvimento web é muito prazeroso, mas às vezes se torna entediante. Não é a primeira vez que eu escrevo isso, mas é que esse é um sentimento recorrente para mim nos últimos tempos.

Na verdade eu acho que não é só o desenvolvimento web que se torna entediante, mas todo o desenvolvimento. Tudo que você fez repetidas vezes tende a se tornar entediante, e com o desenvolvimento web não poderia ser diferente.

Obviamente que nem sempre temos as mesmas situações. No entanto, algumas tarefas se tornam tão triviais que faz com que não as queiramos fazê-las. Isso torna toda a coisa entediante.

Numa tentativa de fugir um pouco desse tédio cíclico é que estou me aventurando em outras áreas de desenvolvimento, como desenvolvimento de aplicações para desktop e jogos.

Desktop foi o meu primeiro contato com programação, nos idos de 1998 quando comecei a aprender Object Pascal (Delphi). Já o desenvolvimento de jogos é uma coisa que venho querendo aprender desde essa mesma época, mas nunca dediquei muito tempo.

Hoje em dia tenho brincado com Python e PyGTK para fazer aplicações desktop (ainda não tenho nada que posso mostrar, mas está em progresso). Já para jogos, ainda não encontrei nenhum framework/biblioteca que me faça gastar muito tempo estudando-as.

Cheguei a fazer a pré-matrícula numa pós de gradução em desenvolvimento de jogos, mas, por falta de quórum, o curso foi adiado para o próximo semestre.

Acho que procurar outras áreas de desenvolvimento é uma forma de quebrar esse tédio natural além de ativar áreas criativas que nem sempre estimulamos. Quebrar o tédio é bom porque você também ganha em produtividade.

É claro que existem muitas outras formas de quebrar o tédio, mas para mim, novos desafios são, quase sempre, a melhor forma de fugir desse mal que atrapalha tanto.

Não sou de escrever posts para reclamar de empresas; acho que só escrevi um, para reclamar do Banco do Brasil, mas dessa vez vou reclamar da Cia dos Livros.

No começo de janeiro me interessei em comprar os livros do Bernard Cornwell, mais especificamente as Crônicas de Arthur (já estou terminando de ler as Crônicas Saxônicas).

Como bom consumidor que sou, fui procurar onde os livros estavam mais baratos. Usei um mecanismo de comparação de preços e encontrei os livros mais baratos na Cia dos Livros (não vou colocar links, eles não merecem).

Os livros estavam, de fato, bem mais baratos, mas eu mal sabia na fria que estava me metendo. Nunca tinha ouvido falar deles, fiz uma busca rápida na Internet e descobri que eles eram uma empresa real, mas vi algumas pessoas reclmando em alguns sites. Achei que fossem problemas pontuais, e segui comprando (só queria me certificar que eles não eram um site para roubar dados).

Fiz o pedido, recebi confirmação, dois dias depois vi que os livros (os 3) haviam sido creditados no meu cartão de crédito, juntamente com o valor do frete.

E aqui começa minha agonia.

No site, quando comprei os livros, dizia que os livros iram ser entregues em 6 dias (ou algo assim, mas com certeza eram menos que 10 dias). Fiz o pedido dia 5 de janeiro. Até o dia 13 não tinha tido notícias do meu pedido. Enviei um e-mail reclamando, e o mesmo só foi respondido dia 16 de janeiro. A resposta era de que não havia os livros em estoque.

Pombas, eu comprei os livros que, supostamente, estavam em estoque! Por quê agora não tinha mais em estoque?

Fiquei me sentindo enganado, mas já tinha feito a "merda" agora vamos esperar. Ainda no dia 16 de janeiro recebo uma mensagem avisando que um dos livros (O inimigo de Deus) não ia ser entregue porque eles não encontraram o livro na editora. Então eu só ia receber 2 livros.

Pensei então "Blz, agora eu vou comprar o livro em outro lugar que seja mais decente". Mas aí o que fizeram? Mandaram os dois livros no dia 20 de janeiro e "esqueceram" de estornar o valor do outro livro, bem como o valor do frete do mesmo.

Dia 28 de janeiro reclamei disso e, pasmem, recebi uma informação hoje, 6 de Fevereiro, de que eu posso escolher outro livro ou pedir reembolso do valor. Já pedi reembolso, pois não sou bobo de esperar mais 20 dias para receber um livro.

Sinceramente achava que eles tinham uma logística melhor, mas agora engrosso as estatísticas de pessoas que foram "enroladas" pela Cia dos Livros.

Se minha recomendação vale de algo, não comprem com eles, a não ser que você queira esperar 1 mês para receber aquilo que compra.

Por fim, antes que alguém diga que é calúnia, tenho todos os e-mails e histórico da compra devidamente guardados.

Nesse último sábado, dia 31 de Janeiro, ministrei mais um treinamento Drupal Mão na Massa.

O Drupal Mão na Massa é um treinamento promovido pela Tempo Real Eventos e foca, principalmente, a prática e treinamentos rápidos.

Esse ano foi a terceira vez que ministrei esse treinamento. Da minha parte achei esse o treinamento mais tranquilo de todos. Dessa vez não aconteceu nenhum imprevisto e o pessoal respondeu muito bem ao treinamento.

Na minha opinião esse treinamento foi um grande sucesso e ao que tudo indica ocorrerão outros.

Agora estou pensando em organizar um aqui em Curitiba, mas ainda faltam muitos detalhes para isso ser viável.

Aos que participaram do treinamento e à Tempo Real, deixo meus agradecimentos.

Pessoal,

A exemplo do que vem acontecendo nos últimos 2 anos, novamente teremos o Drupal Mão na Massa esse ano.

O Drupal Mão na Massa é um treinamento rápido, de 6 horas, que vou ministrar em São Paulo e é promovido pela Tempo Real Eventos.

O evento é focado em iniciates que querem saber um pouco mais a respeito da ferramenta e precisam "sair andando" rapidamente.

Irei focar principalmente no uso da ferramenta, mas tento sempre dar uma aprofundada no desenvolvimento (nem sempre dá tempo).

Quem quiser saber mais sobre o evento acesse a página dele no site da Tempo Real.

Conto com a presença de todos!

Esse é o meu primeiro post de 2009 e quero deixar os meus votos de felicidade nesse novo ano a todos.

Não escrevi nenhum post de Natal e esse quase não saiu também.

Ao contrário dos outros anos não vou fazer previsões, mas espero que 2009 seja melhor que 2008 (que não foi ruim).

Um abraço a todos e novamente um feliz 2009.

Há algum tempo atrás, quando eu ainda era um jovem aprendiz/atendente de suporte ouvi algo que ficou na minha memória até hoje. Quem proferiu a frase foi meu amigo Fernando e isso foi em 2001/2002 quando eu ainda trabalhava na Sede Internet.

Naquela época eu trabalhava como atendente de suporte técnico e ganhava o suficiente para pagar 2/3 mensalidade da faculdade e todo centavo extra era uma preciosidade incalculável.

Um dia, conversando com o Fernando, ele comentou que o quê o motivava não era o dinheiro. Naquela época de vacas mortas (muito mais que magras) eu não conseguia conceber isso. Para mim, naquela época, a maior motivação era o dinheiro. Qualquer dinheiro extra que eu vislumbrasse me motivava a correr atrás de um trabalho.

Passaram-se vários anos e hoje eu acho que compreendo o que o Fernando sentia naquela época e que eu, imaturamente, não conseguia entender.

Mesmo naquela época fazer coisas desafiadoras, inovadoras, revolucionárias me deixava bastante animado, mas se não tivesse dinheiro eu me interessava menos. Hoje em dia vejo que esses valores, para mim, mudaram um pouco. Não estou dizendo que virei um abnegado, que não quero mais dinheiro, mas sim que isso não é mais o que me motiva. Não mais!

Em contra-partida fazer coisas banais e triviais, ainda que por um dinheiro maior do que elas valem, já não me atraem como naquela época. Hoje tenho preferência por pegar projetos que sejam mais desafiadores, mais instigantes do que projetos triviais.

Muito do que tenho estudado hoje são coisas que não estão me dando um único centavo, mas têm me dado um prazer muito grande. Coisas como desenvolvimento de jogos, estudo avançado de Python e Ruby têm me motivado muito mais do que fazer sites. Não que não goste de fazer sites, mas depois de 7 anos fazendo sites poucas coisas são novidades ou desafiadoras. Em sua maioria elas são triviais (algumas vezes trabalhosas, mas ainda assim triviais).

Acho que encontrar a motivação é parte do processo de evolução de um profissional. Sem motivação o trabalho se torna sem graça e cansativo, mas com motivação muita coisa muda. Obviamente que ganhar dinheiro é importante (essencial, eu diria), mas aprendi que isso nem sempre serve de motivação (ao menos, não por muito tempo).

E você, o que te motiva?

Hoje, finalmente, fiz a atualização da versão do meu site. Agora ele é movido a Drupal 6!

Aproveitei o embalo e também troquei o tema por um outro que, na minha opinião, é bem bonito.

Update: Esqueci de mencionar o nome do tema, que é Color Paper.

Agora é conseguir tempo para fazer a migração do Drupal Brasil. Essa vai ter que ser feita com muito mais cuidado.

Se você encontrar algo que não está funcionando me avise.

Essa semana eu ia escrever um artigo falando porque eu não quero um iPhone, mas no meio do caminho descobri que não tinha conhecimento suficiente sobre ele e que, essencialmente, o motivo principal é que sou pobre.

Mas hoje recebi uma lista de um colega do trabalho que levanta pontos bem interessantes e que, somado à minha falta de grana, faz com que eu, definitivamente, não queira um iPhone (ao menos enquanto ele custar mais que o meu salário).

Segue a lista:

  • A câmera não grava vídeo com som;
  • A câmera não tem funções adicionais (zoom, modos, imagem noturna, etc) ;
  • A câmera só tem 2 megapixels, e não tem flash;
  • As aplicações em sua totalidade devem ser compradas;
  • As atualizações são só para suporte de software, não acrescentam nada de novo;
  • Não grava as chamadas;
  • Não pode abrir várias paginas ao mesmo tempo. As paginas extras se amontoam uma sobre a outra com um limite de 8;
  • Não pode copiar e colar texto no navegador;
  • Não pode ser usado como modem;
  • Não pode ser usado como webcam;
  • Não pode ser usado conforme você queira, a não ser que seja hackeado e invalidando assim a sua garantia;
  • Não dá pra usar sua música como ringtone sem pedir permissão a Apple;
  • Não se pode baixar imagens da internet;
  • Não se pode expandir a memória. Não tem uma memória adicional. Só a interna e a RAM;
  • Não suporta Java (nem jogos Java);
  • Não suporta comandos de voz;
  • Não suporta envio de MMS;
  • Não suporta gravação de voz;
  • Não suporta redes HSDPA;
  • Não suporta vídeo-chamada;
  • Não tem contador de tempo de chamadas;
  • Não tem funcionalidade QWERTY alfanumérica;
  • Não tem funcionalidade VOIP;
  • Não tem reprodutor para arquivos flash, ou seja, tem Internet para navegar só pelo Google, fora isso, esqueça;
  • Não tem rádio FM e nem dá para escutar pela Internet em tempo real (só funciona via podcast);
  • Não tem saída para TV;
  • Não tem suporte (nem leitor) PDF;
  • Não tem teclas de acesso à música sem antes minimizar outra aplicação;
  • Não tem viva-voz estéreo;
  • O Push Mail requer um valor adicional a ser pago;
  • O bluetooth só se conecta a alguns auriculares bluetooth;
  • Para trocar de bateria é necessário levá-lo a assistência técnica senão também perde a garantia;
  • Seu GPS funciona somente através de 3G, e o pior é que seus mapas não podem ser consultados offline;
  • Seu bluetooth não serve para troca de arquivos;
  • Somente tem um único modo offline;
  • Sua tela não usa material anti-reflexivo de forma que é impossível ver alguma coisa a luz do sol;
  • Só reproduz 2 formatos musicais;
  • Também não é compatível com teclados bluetooth;
  • É muito lento em 3G (até 21 segundos para abrir uma página);
  • O aparelho não é como uma câmera digital, nem GPS, nem agenda, e também não um pocket pc, porque não pode ser usado sem um cartão SIM.

Update: Veja o meu primeiro post sobre o iPhone (há mais de um ano atrás).

Páginas